Familiares de Bolsonaro são investigados pelo MP

Os investigados tiveram vinculo com o gabinete de Flávio em diferentes momentos de seu mandato na Assembleia Legislativa do Rio




Familiares de Bolsonaro são investigados pelo MP

Foto: reprodução

Na manhã desta quarta-feira (18), o Ministério Público do Rio de Janeiro realizou uma operação de busca e apreensão na residência do ex-assessor do senador Flávio Bolsonaro (sem partido-RJ), Fabrício Queiroz, e a ex-mulher do presidente Jair BolsonaroAna Cristina Siqueira Valle. A operação do MP investigou ainda nove parentes de Ana Cristina, além da mulher e a enteada de Queiroz.

Os investigados tiveram vinculo com o gabinete de Flávio em diferentes momentos de seu mandato na Assembleia Legislativa do Rio, entre 2003 e 2018, sendo que estes estiveram entre os que tiveram o sigilo bancário e fiscal quebrado pela justiça do Rio, em maio desse ano, a pedido do MP.

A investigação da operação apura suposto esquema de lavagem de dinheiro e peculato no gabinete de Flávio na Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj) quando ele era deputado estadual.

Confira os nomes do nove envolvidos na operação:

Ana Cristina Siqueira Valle: casada com Bolsonaro por dez anos, entre 1998 e 2008, tem nove parentes investigados no inquérito do MP que apura um suposto esquema de repasse de salários de servidores a deputados da Assembleia Legislativa do Rio.

Fabrício Queiroz: ex-assessor de Flávio Bolsonaro na Alerj, pivô da investigação ao ter uma movimentação financeira suspeita detectada pelo Coaf.

Marcia Aguiar, mulher de Queiroz: trabalhou no gabinete de Flávio na Alerj.

Evelyn Mayara, enteada de Queiroz: trabalhou no gabinete de Flávio na Alerj.

José Procópio Valle, pai de Ana Cristina e ex-sogro de Bolsonaro: trabalhou no gabinete de Flávio na Alerj e no de Jair Bolsonaro na Câmara dos Deputados.

Andrea Siqueira Valle, irmã de Ana Cristina, ex-cunhada de Bolsonaro: trabalhou no gabinete de Flávio na Alerj e no de Bolsonaro na Câmara.

Francisco Diniz, primo de Ana Cristina: trabalhou no gabinete de Flávio na Alerj.

Juliana Vargas, prima de Ana Cristina: trabalhou no gabinete de Flávio na Alerj e no de Bolsonaro na Câmara.

Daniela Gomes, tia de Ana Cristina: trabalhou no gabinete de Flávio na Alerj.

Guilherme dos Santos Hudson, tio de Ana Cristina: trabalhou no gabinete de Flávio na Alerj.

Ana Maria Siqueira Hudson, tia de Ana Cristina: trabalhou no gabinete de Flávio na Alerj.

Maria José de Siqueira e Silva, tia de Ana Cristina: trabalhou no gabinete de Flávio na Alerj.

Marina Siqueira Diniz, tia de Ana Cristina: trabalhou no gabinete de Flávio na Alerj.

Posicionamento

A defesa de Fabrício Queiroz se disse surpresa com a medida de busca e apreensão. Em nota, o advogado Paulo Klein, que representa Queiroz, afirmou que está tranquilo. 

Leia o posicionamento de defesa de Flávio Bolsonaro

Recebemos a informação sobre as novas diligências com surpresa, mas com total tranquilidade. Até o momento, a defesa não teve acesso a medida cautelar que autorizou as investigações e, apenas após ter acesso a esses documentos, será possível se manifestar. Confirmo que a empresa do meu cliente foi invadida, mas garanto que não irão encontrar nada que o comprometa. O que sabemos até o momento, pela imprensa, é que a operação pode ter extrapolado os limites da cautelar, alcançando pessoas e objetos que não estão ligados ao caso.
Frederick Wassef, advogado”

Informações retiradas do Correio Brasiliense

  • Familiares de Bolsonaro são investigados pelo MP
    Política

    Familiares de Bolsonaro são investigados pelo MP

    Os investigados tiveram vinculo com o gabinete de Flávio em diferentes momentos de seu mandato na Assembleia Legislativa do Rio
Carregar mais Posts Relacionados
Carregar Mais Por iarameneses
Carregar Mais Em Política

Sobre iarameneses

Últimas

Assine nossa newsletter e receba nossas novidades por email

Mantemos os seus dados privados e os compartilhamos apenas com terceiros que tornam este serviço possível. Leia nossa política de privacidade.

Instagram

Instagram has returned invalid data.

Siga-nos!